Estações Brasileiras

Estações Brasileiras fala por mim e fala do tempo, de um tempo imaginado ou imaginável, um outono distante, um verão futuro, como se não existissem no presente, mas sempre idealizados numa pintura impressionista. Esse tempo, que só é não sendo, é o norte poético que minha música parece buscar e está sempre a caminho.

Embora meu meio seja o musical, pra mim são como imagens… E quanto mais me aproximo de revelá-las, mais me sinto próximo de algo sagrado e inexplicável. Compô-las, por fim, é o que me desperta para buscar estes cenários imaginários.

Anterior ao início das composições me cerquei de imagens: pinturas, ipês-amarelos, relances de um inverno paulista… E foram estes fragmentos que me guiaram ou me mantiveram no rumo, envolto por uma aura colorida que a orquestra tenta imitar.

Alexandre Guerra